Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BÓIAS-FRIA

BÓIAS-FRIA


Um pobre pai de família
Que trabalha no sertão
Como meeiro de fazendeiro
Só fazendo plantação

Quando o patrão vê o milho
Crescido, bonito e o feijão
Diz logo para o meeiro
Seu serviço, não quero mais não

Aquela notícia, é muito triste
Para aquele pai de família
Ele tem que vim para cidade
Morar nas periferias

Depois que tanto trabalhou
Seu serviço não teve valor
Veio para morar nos mangues
Seus filhos choram, que horror!

Ele vem para cidade
Enfrentar aquele horário
Nas construções civil
Ganhando só um salário

Por não ter terra para trabalhar
Vai trabalhar como operário
Ele pensa, fiz tudo para dar certo!
No fim, tudo foi contrário

Um trabalhador do campo
Começa desde criança a trabalhar
Sem escola para estudar
Não conhece nem letra A

Só sabe fazer plantação
Para o Patrão enricar
No fim ter que sair
Uns chega até se desesperar

Às vezes  planta feijão
Todas as manhãs vai ver
Sonhando já ter fartura
Só vê a planta crescer

Quando já está com fruto
Antes de amadurecer
O Patrão manda ir embora
Ele não tem o prazer de comer

Nas terras que estão vagas
Muitos entram como posseiros
Quando pensa estar bem
Logo chega o Grileiro

Com os seus homens de força
Cerca logo o terreiro
Se o posseiro achar ruim
Sabe que vai deixar os herdeiros

Quando chega um homem de bem
Para defender o lavrador
Por exemplo, CHICO MENDES!
Tanto que ele lutou

Seu esforço acabou
Porque a força chegou
O certo é, que ele morreu
Ninguém sabe quem o matou

CHICO  MENDES já  morreu
Já foi para a eternidade
Deus do céu lhe dê proteção
Com o manto da Virgindade

Os lavradores ele defendia
Queria todos com igualdade
Ele era um homem de bem
Que só gostava da verdade

Por ele gostar da verdade
É que foi assassinado
O País perdeu braço forte
Que protegia aquele Estado

Seu nome ficou na história
Se fala por todo  lado
Peço para ele eterna glória
Ao Bom Jesus  Ressuscitado.

Novo México, 27 de abril de 1993

Maria Cipriano Celestino - Poetisa Zizi
ZIZI CELESTINO
Enviado por ZIZI CELESTINO em 18/09/2005
Código do texto: T51646
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ZIZI CELESTINO
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil, 88 anos
40 textos (28414 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 08:02)
ZIZI CELESTINO