Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIÁLOGO MARINHO

“Não tente deter o vento, ele precisa correr por toda parte,
ele tem pressa de chegar sabe-se lá onde“.
Fernando Pessoa.


Começo a falar com o mar.
É um diálogo mudo.
Eu, gaiola dos sofreres, ele, pássaro livre.

(há uma espécie de ira recorrente,
no amar).

O mar bate a areia
como fosse amassar
o rosto do mundo.

Como pode a liberdade ser tão inquieta?
O que o mar nos aponta desde o princípio?

O mar dialoga com rochosas ilhas.
Há milênios é o amor indo e vindo.

A mão garatuja o intelecto,
mas é a energia do diálogo
o que me constrói,
dialeticamente.
A mão amada pousa sobre minhas dores
com uma Paz menina.

Teias soturnas dentro de mim,
serão as rendilhas bordadas na praia
a sua escritura?
Ou apenas a alheia garatuja dos ventos?

Há uma coisa morrendo fora,
há outra nascendo por dentro.
Sob o lavor dos ventos, mil perdas
de orientação!
Tantas antíteses batendo na pedra da memória.

O amor à condição humana me absolve.

(sou tão pequeno e precário.
O meu sextante de sonhos
tem caravelas várias.
O mar suporta o peso de minhas naus,
mas é o vento
o que move as torres de vigia.)
 
Na linha do horizonte,
uma gaivota faz
a tessitura do céu
desenhando piruetas no ar.
É uma nave nada comportada.

O que contam os fragmentários desejos
é o azulverde que resiste
e me mora em algas e plânctons,
como no Princípio.

O mar fez o ninho
nesse lençol de ventos,
e eu sou o peixe que desova.

São as metamorfoses
que sempre nos farão vivos.

- Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 50:1.
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 26/09/2005
Reeditado em 15/01/2014
Código do texto: T54004
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709761 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:16)
Joaquim Moncks