Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pois é

Faço poesia por pura intuição
Como se meu corpo fosse todo coração da cabeça aos pés
E pulsasse a cada palavra escrita
Ante revés de quem não me entende
Bombeando nas veias benditas
Usando como boca minhas próprias mãos
A proferirem vida, morte e ressurreição

Peço que neste mundo turvo
Pintado com verniz o amor corroído
A vida tenha vida após ter sido
Pra não morrer de solidão
A solidão da poça que evapora afastada do mar
Com ares de poesia, essa heresia afiada,
Corta rente toda falácia da voz sem vestígio de nada

Canso-me acelerando a espera do amanhecer
Finjo dormir enquanto sonho
Pra não ter lembranças de um mundo bisonho
Ao despertar na voz que me faz recordar
Que sou o que dorme vigilante
Insubstante como fantasma
Ouço murmúrio de paz
Meus ouvidos captam um horizonte a mais
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 28/09/2005
Código do texto: T54674
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
199 textos (8370 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:25)
leandro Soriano