Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Alma aprisionada



Confinada em limites
Eis que minha alma estranha
Esta prisão tamanha
Que contém o meu amor...

Elemento intraduzível
De um sonho impossível
Que me causa quase dor

E no triste impedimento
Perde-se no espaço o lamento
Choro lento de saudade

O espírito já desgastado
Atira-se desnorteado
Em busca de sua presença

Surpreende-me quase tudo
Que traduz vazio mudo
Este absurdo incoerente

Mas sendo o amor inocente
Entretém-se com o futuro
Trazendo o passado ao presente

Assim na fragilidade
Minha alma se ressente
Em busca de liberdade...


Priscila de Loureiro Coelho
Enviado por Priscila de Loureiro Coelho em 06/03/2005
Código do texto: T5798
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscila de Loureiro Coelho
Jacareí - São Paulo - Brasil, 65 anos
1286 textos (214509 leituras)
1 e-livros (147 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/09/16 02:02)
Priscila de Loureiro Coelho