Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Silêncios

Hoje, quatro de dezembro de dois mil e dezesseis,
uma amiga me noticia a morte
de Ferreira Gullar.
Soco no estômago!
Por uma espécie de sentimento corporativista,
acuso o golpe.
Meu pai, ao lado, lendo jornal,
fico lamentando a morte do poeta:
Poxa, morreu! Quem? Ferreira Gullar! Mas já tava bem acabadinho!
Fico imaginando se tinha acabado.
Se tinha algo mais a dizer. Se diria mais alguma coisa em poesia.
Não cabe a pergunta.
Embora triste, me consolo.

A poesia se reproduz
nos silêncios do que já foi dito.
Lucian
Enviado por Lucian em 07/12/2016
Código do texto: T5846824
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lucian
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 28 anos
273 textos (7169 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/06/17 14:25)
Lucian