Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Doído... 

Quando me oferecias teu império de amor,
e eu fechava os olhos só para haver noite,
o cheiro intenso da atração intoxicava o bosque dos desejos,
infatigável perfume, algo doce, algo denso,
incendiava nossos corpos,  

Perfeita, provada, tu me amavas.
E éramos muito mais viver.
E eu gostava de te amar e ficar dependente. 

Foi quando não mais te decifrei. 
Sabor de saudade, de pedras, adquiristes,
que a melancolia do viver cresceu. Tomou forma.
Dei o meu grito. Fui mau amor.
Arder em teus braços, de jeito nenhum mais quis. 

Agora, teus sentidos por mim, mais e mais a oxidar
enorme deserto separando nossos corpos,
não sei se consigo sobreviver a essa dor...

Não importa o quão somos duros.
Toda dor segue a gente, deixa  cicatriz,
mas, mais do que o mais doído querer
é um coracão que não sabe o que quer...




Música: A Noite dos Mascarados ( Chico Buarque e Elis Regina)




(*) Imagem: Google

*************************************
De James Assaf:

"
Quando o amor se faz sentimento, a emoção caminha nos dois sentidos"... 
Marisa Costa
Enviado por Marisa Costa em 19/05/2017
Reeditado em 26/05/2017
Código do texto: T6003791
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Marisa Costa
São Paulo - São Paulo - Brasil
384 textos (60684 leituras)
2 áudios (222 audições)
2 e-livros (274 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/17 13:19)
Marisa Costa

Site do Escritor