Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto da Minha Desgraça

Como o também poeta maldito
Não tenho como desgraça ser poeta
Minha desgraça tem uma seta
Apontada para trás do que vivo.

Ser poeta não é ser desgraça
Mas do mesmo jeito que desgraça passa
Ela vem e quanto o poeta menos espera
Vira um desgraçado, de vera.

Vou desgraçando para trás
Maldito pra mim é tudo que
Tem algo especial de mais.

E um dia eu estarei livre
Desta desgraça que não tem a ver com poetizar
Mas acho eu, pode matar.
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 08/03/2005
Código do texto: T6023

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30750 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/09/16 07:10)
Júnior Leal