Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poesia (duas da manhã)


São duas da manhã, me sinto torto;
meu corpo está cansado e sem conforto;
o mundo ao meu redor é quase morto
e todo este penar
só faz rememorar
o que penso esperar!

São duas da manhã, duas em ponto!
Meu corpo está cansado; eu meio tonto
me sinto divagar, contando um conto
e um verso reprimido:
A “coisa sem sentido”
que me faz dividido!

São duas da manhã (duas e vinte);
e o dia que já é dia seguinte
irá me achar assim meio pedinte
talvez porque eu não faça
valer-me da trapaça
de não beber da taça
amarga da desgraça!


Poeteiro
Enviado por Poeteiro em 20/10/2005
Código do texto: T61319
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poeteiro
Santos Dumont - Minas Gerais - Brasil
440 textos (10790 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:13)
Poeteiro