Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A VIRGEM E A COROA - IV

Não bastaram os negros da terra
De longe, negros arrebatados
Filhos de outra Virgem distante
Adotados pela Virgem, filhos errantes!

Extraídos do seio da Virgem
Outrora com a pele e cabeça vermelha
O filho armou seu peito de negro
E bradou com toda a grandeza.

O grito denunciava a dor de um povo
Eram amigos que ousavam aprender
Pois através de seu brado vigoroso
Iam à guerra sem se arrepender.

Sem ladainha e com muita coragem
Sua arma era a força sem muita plumagem
Dos braços rijos como a tora
Travavam-se pelejas que a Chaga ignora.

Ardia no peito, como prova de respeito
A dor das batalhas longe do leito,
Todos queriam, à Virgem mostrar
Por Ela, toda a dor, poderiam suportar.

Eu sei, parece lamúria de vencido
Ledo e variado engano
A Virgem ainda guarda para si
Muito mais do que o simples profano.

É exercício vivo,
A Chaga, com o tempo entenderá.
Até hoje, após tantos enganos
A Virgem das cinzas renascerá.

É certo ela ainda não encontrou
Remédios para sua dor.

Um dia, talvez
Quando olhar ao passado
E com ele quiser aprender
Valerá lembrar da Virgem
Que um novo mundo fez florescer!
Paulo Araújo de Lima
Enviado por Paulo Araújo de Lima em 25/08/2007
Código do texto: T623932
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor citar o nome do autor e o link "paulolima.recantodasletras.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Araújo de Lima
São Paulo - São Paulo - Brasil, 52 anos
174 textos (13713 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 23:41)
Paulo Araújo de Lima