Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MANIA DE NÃO GRANDEZA

O riacho me atrai, o mar nem tanto;
quero canto e me esquivo da cantata;
ter a lua na poça me contenta
muito mais do que auroras efusivas...
Meu momento resume a eternidade,
para mim o infinito está na esquina,
tenho mina de sonhos moderados
pelos quais tudo é pouco, mas é meu...
Nunca fui de cavar apoteoses;
entre as trevas e a luz quero a penumbra;
a mangueira me serve de mansão...
Conto estrelas enquanto não me cansa,
depois deixo que o sono feche o céu
na bonança da conta que perdi...


Demétrio Sena
Enviado por Demétrio Sena em 26/08/2007
Código do texto: T624413
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Demétrio Sena
Magé - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
3055 textos (61849 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 17:16)
Demétrio Sena