Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Monólogo da ausência


Eu te sinto ausente e tua ausência é mensurável
de modo tal que a possa absorver plena e perene
caso a efemeridade dela não se justificar mais
e deixar de ser ausência
e tornar-se a definitiva presença de saudades...

Qual é o nível de tua ausência? Como se mede?
Se ela é como vida ou morte
em que nunca se está meio vivo ou meio morto...
Pois que te sinto assim ausente de mim
e enceto contigo um diálogo de corredor de hospício
e sigo conversando com tua ausência.
Ela me responde em silêncio,
anuindo às vezes
com uma ausência ainda maior.
E digo minhas verdades entrecortadas pelo silêncio
em que imagino e mesmo ouço o que me respondes...

Tu me dizes que o tempo urge!
E sei que deves correr contra o teu tempo
numa batalha vã, de uma derrota prenunciada.
Também quero correr, mas de que adianta?
Ninguém vence o tempo.
O tempo é senhor de tudo.
E ele diz-me urgir a hora de agir.
A ação é escrava do tempo que a determina e a conduz ao seu modo.

Sinto que corres agora
tanto quanto sinto a tua ausência.
Mas o tempo é senhor de tudo
e nem sempre age a meu ou teu contento...
Mas é como é! – é o tempo...
E o tempo é senhor de tudo!
Só não é senhor de si próprio...
Porque até mesmo para si o tempo passa também.

Deste modo, agora eu converso com tua ausência
porque não há mais tempo para coisa alguma.
Só tempo para a ausência
em que te fazes tão presente em mim!
Poeteiro
Enviado por Poeteiro em 23/10/2005
Código do texto: T62537
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poeteiro
Santos Dumont - Minas Gerais - Brasil
440 textos (10789 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:23)
Poeteiro