Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ACÍCLICO

 
No lugar que acabei de abandonar
Não havia sequer uma parede
Um encosto qualquer
Sequer um amparo

Realmente não queria parar

Do canto que me afasto
Não sonhei qualquer encanto
Nem mesmo quis um quanto
Desejava apenas realizar

Construí muralhas intransponíveis

Deste ambiente alijado
Ficou apenas arremedo
Pedaço de ressentimentos desnutridos
Medo de não ter sentido

Pulsava dentro e escutava ao longe

No quando que agora apóio
As qualidades afloram
Perenes, latentes: presentes
Sentir é naturalmente efervescente

Ebulir é característica comum

No chão que atualmente piso
Pés são desnecessários
As ferramentas mudam
Ao prazer daquilo que convém cumprir

Cumpramos o que for conveniente

Para nosso bem, nossa mente
Vislumbremos além do latente
Do óbvio, sensorial e pungente
Extrapolemos o egoísmo inato

Olhemos pra dentro visando em frente

Diante dos perigos, armadilhas e percalços
Seja forte, altruísta e decente
Escolha o caminho reto, correto e justo
Ao topar consigo mesmo; aguente

Instigue-se e enfrente-se

Desfaça-se da idéia que a dor será demais
Lembre que toda vez que o fundo chegou
O desespero só atrapalhou
E desceste ainda mais fundo

Ainda assim levantaste

Impávido, mordido
Doído, mas ávido
Sangrando, mas querendo
Chorando, crescendo

Rasgando a veste antiga e vencendo

Admita: sempre vencemos
Despertar para esta verdade absoluta
É realmente devastador
Por vezes alucinante

Cabe a nós controlar este ser dominante

Quem morre e fica
Naquele lugar sem paredes
É o eu que só sabia perder
Que fincava suas vontades no passado

Tolhendo o direito inalienável de crescer

O quem nascente corre com as pernas da vontade
Voando alto nas nuvens seguras da verdade
É o eu que sabe que vencer
Jamais foi um direito

É mera, pura e inefável obrigação

Profane seus santuários já devastados
Limpe suas cavidades mais escuras
Para que elas reluzam
Quando a luz casta e pura entrar

Expanda-se em luminosamente

Escolha ser o seu sempre melhor
Aceite que somos mais e maiores
Acredite que a cada era de sua existência
Será preciso desfazer de si

Desfazer-se é enriquecer

Vazio de coisas
Saiba ser o que precisa
Baixe suas muralhas
Guarde sua navalhas

Volte a aprender

Aprenda sempre o que ainda não sabe
Desanime-se das facilidades
Estagnação advém
Do medo perpetrado

Pela incapacidade de renascer

Somos nós quem escolhemos
A responsabilidade cabe
Aos que admitem ter poder
De mudar o mundo em volta

Conhecendo o íntimo que podem tocar

Apresente-se, cuide-se
Avalie-se e mude
Duvide sempre de você
Pois ser nunca é defeso

Aos que se dispõe a morrer


Há tempos guardo comigo esse poema
Ele marcou-me profundamente, pois
mudou minha vida. Por ser forte, expressivo
otimista e verdadeiro, publiquei aqui no Recanto.
No entanto, o autor eu desconheço, que é uma
pena. Mas os méritos são dele, do poeta maravilhoso
que nos passa essa mensagem. E eu honrada em
compartilhar com meus amigos recantistas.

Lindo dia a todos.


Sonia Lupion Ortega Wada
Enviado por Sonia Lupion Ortega Wada em 28/08/2007
Código do texto: T627041

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sonia Lupion Ortega Wada
Tsu - Mie - Japão, 53 anos
333 textos (57274 leituras)
2 e-livros (124 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 20:45)
Sonia Lupion Ortega Wada