Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESFERA DA SOLIDÃO!


Esfera de mundo a me circunscrever e a outorgar-me espaços desabitados e invadidos num labirinto indistinto e sôfrego na tentativa de sofrear o meu sofrido coração.

Esfera de gente que passa, brinca com os meus olhos que ensaiam o choro e vai, afora, levando o que de bom tinha o meu cancioneiro campanário – cantando versos de amor e possibilidades de alegrias para, depois, despir-me das ilusões, tornando jorrante a fonte da dor lacrimante do, enfim, coração descontente.

Esferas em gotas que descem face abaixo enrolando e rolando o meu significado de vida que goteja nesta flâmula, findando no incêndio da pequenez que são as lágrimas para os olhos de quem jamais as sentiu escorrendo na própria face.

©Balsa Melo
26.07.04
Brasília - DF
 
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Enviado por BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO) em 28/08/2007
Código do texto: T627636
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Uberaba - Minas Gerais - Brasil
3010 textos (87168 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 08:23)
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)