Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PONTO DE PARTIDA SERÁ SEMPRE O DE CHEGADA!

 
Assobio mansamente tentando expelir o silêncio. O rosto não anuncia alegrias mas retrata um semblante combalido, misturando-se à solidão da boca que balbucia o seu nome.

O som termina no seu limiar – natimorto – e não produz a fala, assovelando o coração que suplica o seu regresso... Verdadeiramente roga o retorno de quem nunca fora embora... Sombrio fato.

Assovio tentando iludir os olhos embaçados pelo suspiro da
dor – lágrima – e o som, dilacerando a garganta, emudece-me inteiramente ao ver que da fantasia criada num suposto amor termino com enferma solidão, motivada pela sua saudade e com o coração vertendo-se em lamentos... Talvez tudo isso padeça e finde, como todas as outras vezes... o ponto de partida será sempre o de chegada.

©Balsa Melo
19.08.04
Brasília - DF

 
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Enviado por BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO) em 28/08/2007
Código do texto: T627680
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Uberaba - Minas Gerais - Brasil
3010 textos (87749 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 13:36)
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)