Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONFISSÃO dos MEUS CRIMES

Por sete longos anos morei
nos becos do inferno e da lama,
apropriações indébitas, estelionato,
mentira, fizeram a fama,
doutor entre ladrões, os abismos fartos
diante da ousadia de quem o horrível ama.

A liberdade do oceano e do deserto
me fizeram mais que insano, esperto!
como um réptil sem nome espreito
não é por mim que o moribundo
se ergue do leito,
mas o deleite de entender que o fundo
do abismo é o espelho da alma
me convence a ir embora
coberto de vaias sem uma palma
e certo de que o universo não é número,
é agora.

Corvos aprendem a falar a língua do destino
por mais que eu teime ensino
ao analfa o resultado do encanto
percebendo a estrada é o cristal
do viajante que abandona o passado
e parte na busca livre do medalhão e do manto.

Se a confissão dos meus crimes não abre a cela
a justiça revela
o fio de sangue rasgando a brancura
do rosto do meu anjo
para que sem arranjo
encontre na deformidade a cura
Eriko y Alvym
Enviado por Eriko y Alvym em 03/09/2007
Reeditado em 28/05/2016
Código do texto: T636579
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (ERIKO ALVYM e www.erikoalvym.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eriko y Alvym
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1308 textos (32772 leituras)
8 áudios (1075 audições)
2 e-livros (177 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 23:43)
Eriko y Alvym