Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

joãozinho o rude

vez em quando joãozinho passa por aqui
cavalgando a morte nas crinas do fim
fumando na praça ninguém se ilude
diabo flerta sirene n'hora de joão o rude

quando voa a voz fazendo vão no vento vão
tantos tambores troam trovejando o mal
vagalumes vagassônicos luminam o sonho fugaz
anjo da marte no camburão geme geme fundo e assaz

vamos johnny vamos pro lado de lá
vamos johnny os assassinos enterram bandeiras nojentas no sexo do mar
johnny vamos e que eles vacinem os vampiros na farra da nossa ausência sanguinária
vacinem os vampiros, temos muitos a degolar
na orgias secretas dos poderosos com as crianças

quando o galo cantar enojando robot's
joãozinho vai estar morto de cara p'ro sol
cheio de droga
o corpo nu de uma horrenda beleza
caido no cemitério da preferência

ó morte! morte! dona da Terra
                         dona do Poder
todas as dúvidas levam a ti
Rainha Louca dos amantes
que não fazem amor
só nos resta fugir
para longe dos calabouços
e das alfândegas
não se morre moço
no governo dos justos
religiozisa-se defuntos
eletroprograma-se almas
no Reino das Igrejas
dos Exércitos
e das Finanças
fechado de Leste a Oeste
pelos esqueletos cabeludos dos puros
pendurados nas cruzes de neon
enquanto a plebe bebe jogatina e sexo explícito
Eriko y Alvym
Enviado por Eriko y Alvym em 03/09/2007
Reeditado em 14/12/2012
Código do texto: T636652
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (ERIKO ALVYM e www.erikoalvym.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eriko y Alvym
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1308 textos (32772 leituras)
8 áudios (1075 audições)
2 e-livros (177 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 14:39)
Eriko y Alvym