Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ADENSAR, invariavelmente !

                  [ Adensar ]


Uma eminência qualquer
talvez, pendente
mas que não entendo.
Aqui no extremo desfeito
de um paredão
mais se adensa a névoa
menos ouço
o reverberar da sirene.
Ao apelo de terra
o mar não responde
e eu limito-me a saber
do ranger dos passos
entre escombros
e da decrepitude absurda
de um silêncio encastrado
fundo, até aos ossos.

Fecho os olhos e
muda o cenário e a cena:
Estou agora numa esquina
numa espera enguiçada
por quem me acenou
e me disse que esperasse.
Claro! Sempre o Luar
esse que passa tão ao longe
e me deixa, invariavelmente,
no vestíbulo de um temor.
À esquina
ou no extremo decrépito
do paredão, luminância...
só a da noite.

E, a este ser e estar de
personagem concircunstante,
eu forneço uma chávena
de estupefacção
espontânea e legítima.
Corporizo-me
num sentir de sombra
e de verdade isolada
e, sim!... bacoca
de cada um ser, de resto,
para o que nasce.

_______________________LuMe
Luis Melo [ www.lumelo.com ]


Luis Melo
Enviado por Luis Melo em 27/10/2005
Código do texto: T64237
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luis Melo
Portugal, 59 anos
64 textos (2257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 16:10)
Luis Melo