Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Boemia!

Boemia!


Agora, passam por mim pensamentos em fragmentos, facetados, feito espelho em pedaços. São nós de minha estória contados pelas cicatrizes de meu coração, foram anos de régia boemia ao som de Ravel, foram muitas noites sem sono ao sabor dos quitutes da noite, foram muitas rodas de viola e violão á luz dessa mesma lua que hoje me espia como a se perguntar – cadê o boêmio. Ora ser boêmio é ser da noite, e da noite fazer dia, não se acaba com isso de uma só vez, não que seja vicio, mas quando se é da noite fica e não se pode mais ser boêmio, fica impregnado na alma como que um doce perfume que se tornam doces lembranças. Por isso quando minh’alma estaciona assim á luz da lua cheia, o sol da noite me enche a alma e o pensamento voa feito gaivota!

Santaroza
SANTAROZA
Enviado por SANTAROZA em 13/09/2007
Código do texto: T651267

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
SANTAROZA
Zacarias - São Paulo - Brasil, 61 anos
138 textos (4027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 02:57)
SANTAROZA