Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lição de pai

Perguntou à esposa sobre o pagamento do seguro. Ela respondeu com olhar reprovador. Seguiu para o centro da sala, deitou-se no chão e fechou os olhos. Chamou os filhos que riam dizendo que papai estava dormindo. Ele disse aos filhos que inventou uma brincadeira. Que ele ia se fazer de morto, mas, enquanto estivesse com olhos fechados, os filhos poderiam perguntar o que quisessem, que ele responderia. Um dos filhos disse que, se seu pai morresse, ficaria muito triste. Disse que não queria essa brincadeira. Mas o pai insistiu e disse que estava só brincando. A esposa o chamou de idiota. Qualificando de ridícula a brincadeira. Ela mesma, involuntariamente temerosa. O outro filho fez cara de choro. O pai reagiu. Disse que era natural ficar triste. Que deveria perguntar a seu avô como tinha ficado ao saber da morte de seu próprio pai. No início, a gente fica mesmo triste, mas que a tristeza logo acaba. Vovô não era feliz? Então. Outro filho disse que ficaria sozinho, que seu pai não lhe compraria mais brinquedo. Ele retrucou dizendo que sua mãe resolveria tudo, desde que abrisse o coração com ela. Se estivesse triste, ou se estivesse sozinho, ou se quisesse alguma coisa, que ela sempre estaria ao seu lado, como melhor amiga. O menor ameaçou soluçar, fazendo bico com os lábios. E o pai disse que, quando eles menos esperassem ia abrir os olhos e dar um “buuu!”, os assuntando. E continuaram a conversa. E o pai ameaçando: “Acho que vou levantar agora”, formando garras com os dedos. “Ah, não! Agora não!” Os meninos clamavam indecisos entre o medo e o sorriso. Por fim, ele abriu os olhos e correu atrás dos meninos e os abraçou. Seus gritos tomaram conta da casa. Ajeitou a camisa para dentro da calça e endireitou a gravata. Beijou os filhos e se apressou para apanhar o táxi que o esperava. O filho mais velho ensaiou chorar. “Por quê?”, perguntou o pai. “Você não pode morrer, pai!”. Os olhos marejados. “Mas que guri medroso! Que morrer, que nada! Volto amanhã, meu filho..., se Deus permitir”.

D.S.








Djalma Silveira
Enviado por Djalma Silveira em 13/09/2007
Código do texto: T651312

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Silveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 49 anos
267 textos (10562 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 22:54)