Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PAISAGEM

         
O céu é tão azul como o mar
mas não tem barcos de velas brancas.
O Sol nasce e levanta-se envolto em ouro,
flameja e aquece, mas não sorri.
E quanto mais se eleva mais espalha
um imenso deserto sobre as casas.

Daqui, deste mirante que se debruça
perigosamente sobre o fundo falso das horas,
procuro em vão uma palavra escondida
no rosa-pálido da telha marselhesa,
nos maciços de verde que escurecem ao longe
ou no cintilar prateado do rio que desliza
espreguiçando-se, sem pressa, como uma grande serpente.

Mas nada transparece da embriaguez das cores,
mas nada encontro na calma do tempo morto.
É preciso estilhaçar o vidro da paisagem,
deixar de ser o homem do binóculo
e saltar, resoluto, para o precipício.

Entretanto, o Sol morre lentamente
com cabelos de sangue sobre o mar.

CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 30/10/2005
Reeditado em 30/10/2005
Código do texto: T65498
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21277 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:54)
CARLOS DOMINGOS