Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Entre Vírgulas e Reticências




                         
                       O amor pai da poesia
                       supremo senhor da luz
                       e da fantasia.
                       Se não fosse o amor,
                       não haveria poesia.
                       Do amor nasce o fruto
                       da alegria.
                       Morrendo o amor, que
                       será da poesia?

                       Você é doce magia.
                       Íris da cidade, mistério,
                       Você é a própria poesia.
                       Acho que
                       vou processá-la na ordem
                       dos bruxos, viu,
                       doce poesia.
                       Posso ouvi-la, posso senti-la
                       exalando pelos meus poros:
                       Seu sorriso, seus lábios,
                                        seus olhos....

                       Cristais entre dedos
                                        copos e corpos
                      a me revelar segredos.
                      Entre vírgulas e reticências
                      vou saboreando você.


                   
                     
Américo Paz
Enviado por Américo Paz em 17/09/2007
Código do texto: T656923

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Américo Paz
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil, 55 anos
369 textos (137749 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 11:23)
Américo Paz