Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMAS POS MORTES



 POEMAS POS MORTE


  VÍRUS
Eu sou a ameba
Que coroe seu cerebelo,
Sou seu câncer
Seu signo da sorte,
Sou o átomo
Que dividi seu intimo intestino,
Sou a palavra que te fez padecer.


DEGRAUS
Eu pedi a morte
Ao patrão do mundo,
Mas ele me negou aumento.

SANGUE COALHADO
Pularei os designo
Da penha,
Aonde mora meu abutre,
ele tem penacho vermelho
para me acariciar.


ABISMO
Cortei meus poros
Mas o sangue
Não jorrou (coalhado estava)
Pulei ate o seu abismo
Para colher uma rosa de plástico
Que você pos em meu peito
Aberto.


 RABECÃO
Não tenho vontade
De sair,
Estou a espera
De um rabecão
Par me dar uma carona a
Ate o pólo ártico artificial.
Ricardo Portero
Enviado por Ricardo Portero em 19/09/2007
Código do texto: T659250

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citeo nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Portero
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
4672 textos (93785 leituras)
2 e-livros (123 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 08:46)
Ricardo Portero