Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto VI

Proclama-te a Satã, moça
Peça a teu rei o que desejas
Ainda terá os dias pra que percebas
Como és medíocre, tu e teu rei trouxa.

Proclama-te a teu Deus do Céu, bom homem
Reze, venere a ele, submeta ao improvável
Verás o quanto és, tu e ele, lastimável
Peça a ele o que teus filhos comem.

Proclama-te voz, meu caro leitor
Conhecedor de muitas minhas intenções
Mas proclama-te, como eu, a teu interior.

Nada é tão importante quanto vós e vossos corações
Acredite em ti, coragem, e já és, assim, vencedor
Fuja, meu caro leitor, de falsos dogmas e ilusões.
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 14/03/2005
Reeditado em 30/03/2005
Código do texto: T6602

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30748 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 02:21)
Júnior Leal