Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto IX

Não quero o reconhecimento
Quero, como quero a maldição
Do sentimento do teu coração
Que não me deixes no esquecimento.

Dogmas são Dogmas, vou acabar
Dentro de meu caixão rodeado de malditos
Ao me enterrarem, ecoarão os gritos
Das almas malditas a me saudar.

Quando eu aqui não mais estiver
Quando saciar toda a sede que houver
Ainda assim a maldição há de ser o critério.

Peço-lhes, servos da maldição
Apenas que, meu nome, por consideração
Seja da rua do mais belo cemitério.
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 14/03/2005
Código do texto: T6606

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30823 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:18)
Júnior Leal