Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto XIX

Eu bebo é do veneno mais forte
Não há vodca que me satisfaça
Os fracos se entorpecem de cachaça
Bebo o escarlate que sai do corte.


Não perco meu rumo no norte
E a cachaça não é tão escassa
E não há veneno que me faça
Chegar tão perto da morte.

Eu bebo é do veneno mais forte
E na linha que sempre você traça
Não ando, pois vou ao norte.

Gosto daquilo que me ameaça
Gosto de andar junto à morte
Gosto da maldição, você da desgraça.
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 14/03/2005
Código do texto: T6618

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30750 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/16 10:41)
Júnior Leal