Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto do nosso tempo

É dessas coisas insanas que o laranja abandonado da tarde nos dá
Joga na brisa esse aroma de alecrim, que enfim perfuma o céu
E nessa alameda longa de sombra em flor, possuo nas mãos o fruto
Colorido e saboroso fruto de éter, bússula apontando ao léu

E ao prová-lo desgrudo do chão dos comuns, dos boçais
e parto ao céu dos inesquecíveis, sobrevoando as casas, o mar
E busco achar-me confortável e sem medo num exílio voluntário
Que ao mirar-me me descobrem seus olhos, sua paz, seu andar

E que caiam-me as lágrimas e que guiem-me os ventos
que seca o sal , que adoça o mel, que apaga os passos
mas marque-me o caminho nessa maré de ritmos lentos

É por acaso apenas um final de tarde no presente
Sem passado nenhum porque foi só buscar-te sem saber
É por acaso o começo do futuro esse perfume não mais ausente
Marcelo Moro
Enviado por Marcelo Moro em 21/09/2007
Código do texto: T662510

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcelo Moro
Americana - São Paulo - Brasil, 46 anos
101 textos (2467 leituras)
2 e-livros (41 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 21:49)
Marcelo Moro