Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Canto à Sereia



Uma língua fria se desdobra
Da ânfora que a maré despeja
Qual uma onda que não quebra
Qual uma boca que não beija

Jusante, a maré festeja
Num colar de ondas brancas
Espumantes, cheirando a sal
Sob um Sol corando inveja

Como o sal nas minhas chagas
Ouço o tom do teu cantar
A soprar junto das vagas
A chamar-me junto ao mar

E a catarse do teu canto
Faz das ondas teus cabelos
Faz da chuva o teu pranto
Dos meus sonhos, pesadelos

Que eu seja um marinheiro
A guiar-me por teu norte
E que a fúria de Netuno
Não deságüe na m’a sorte!

E afogado na tua onda
Na tua água em torvelinho
Carregado na vazante
Do teu corpo se abrindo...

... Ancorado em tuas correntes
Absorto em maravilha
Perdido num cais distante
No desvão da tua virilha

Inda hei de brindar a morte
Sorvendo do teu seio
No cálice que fiz da concha
Fazendo de ti consorte
Gargalhando de receio
Ao chocar-me contra a rocha

E... ao me acordar, molhado,
Tendo-te na cama, ao lado
Cansado, qual maré-cheia
Terei, em sonho, realizado
Meu amor por ti... Sereia.

D.S.
Djalma Silveira
Enviado por Djalma Silveira em 22/09/2007
Código do texto: T663619

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Silveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 49 anos
267 textos (10563 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 19:27)