Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cinzas ao vento

Vinde contemplar o meu pranto, silencioso e solitário
Melodiosa paixão cresce em pesarosa lentidão impregnando o meu ser
Deixa-me indefeso, mergulhado em mística incerteza
Encontrei a poesia sonhada, a personificação do divino Amor
A divindade confinada em frágil corpo, inconsciente da sua singular majestade
Teus olhos fulguram os céus eternos e ofuscam o que é efêmero
O destino nos uniu, mas parece demasiadamente tarde
Ó vida traiçoeira, por que me impõe tão perversa ventura?
Pesa em meu peito o carinho que não posso manifestar
E secam em minha alma as flores que não posso ofertar
O que faço com todo este sentimento?
Pudera eu poder queimá-lo, reunir suas cinzas e lançá-las ao vento
Espalhando assim, pela vasta terra o que tenho de melhor em mim
Meu inefável Amor...

Março/2000
Carlos R Andrade
Enviado por Carlos R Andrade em 22/09/2007
Reeditado em 23/09/2007
Código do texto: T664078

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Carlos R. Andrade). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos R Andrade
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 39 anos
44 textos (2083 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 04:38)
Carlos R Andrade