Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lágrimas ocultas

 
Com carinho, gloso o quarto mote do poema
"Lágrimas ocultas" de Florbela Espanca

 
    E as lágrimas que choro, branca e calma,
    Ninguém as vê brotar dentro da alma!
    Ninguém as vê cair dentro de mim.

****

    E as lágrimas que choro, branca e calma,
escorrem pela face enrugada do tempo.
São como lembranças do cruel contratempo,
que marca o que hoje sou, ressequida palma!
 
Só eu sei o gosto amargo que elas provocam!
    Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Sorrateiramente chegam da ilusão que espalma,
sentimentos afagados que do amor evocam.
 
Na dor e amargura da cruel despedida,
brotam como líquidos cristais lapidados assim.
  Ninguém as vê cair dentro de mim.
São como resignadas gotas da alma rompida.
 
Santos/SP
23/09/07

***

Lágrimas ocultas
Florbela Espanca

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era q'rida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...

E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim.

***
Guida Linhares
Enviado por Guida Linhares em 23/09/2007
Código do texto: T664895
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Guida Linhares
Santos - São Paulo - Brasil, 70 anos
1968 textos (163037 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 04:04)
Guida Linhares

Site do Escritor