Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Compromisso

Resumir pensamentos
Para não perder o tempo
É desgaste de vento
Enquanto a vida anda
Crescer é importante.

Sou o que tanto faz
Quando a chegada hora chega
Tomarei cerveja
mas não quero tomar demais

No dia-a-dia ignoramos
Os irmãos que sofrem muito
Nas pontes
Nos escombros
Escondem-se submissos.
É errado não ser humilde
Não é certo passar reto
Irmãos morrem de fome, peste, desgraça e droga química...

E nas favelas vê-se cultura...
Popular, às medidas.
E nos bairros ricos não se vê vida...
Vêem-se árvores ao menos...
Em seus grandes jardins caros
Esconde-se o mais poluidor dos carros.

Um bom vivant
Vida louca...
Já dizia o raper do gueto

E nas escolas dos pequenos
Regras ditatoriais...
Manchando a calidez das crianças
Instituindo falsa moral.

No sistema a regra é:
Ser oportunista é uma vantagem,
E nem me fale camarada
Não nasci ontem, nem nasci cego
A lei dos mais fortes prevalece
E caridade se passa piegas

Capitalismo apodreceu
Titulando donos da bela terra
Baluartes do capital.
Idiotas, digo eu
Pois esta terra não tem donos
Ela é parte do universo.

Idiotas, digo eu...
O dono da terra não é teu.

Credos afazem erros
Criaturas remetem desespero
Beleza, ainda há muita.
Destreza há muito pouca.

Os afazeres da humanidade...
Há muitos.
As preocupações com calamidades...
Não fique neurótico.

O que de Souza
Enviado por O que de Souza em 26/09/2007
Reeditado em 11/08/2015
Código do texto: T668769
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
O que de Souza
Curitiba - Paraná - Brasil, 30 anos
344 textos (9090 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 14:25)
O que de Souza