Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PERDIDOS NA NET/PERDIDOS EM SI




Perdido na Net
(March 9, 2005)

© Dalva Agne Lynch



Há um homem
Perdido no mundo da Net
Escrevendo poemas de amor.
Ou talvez não...
Talvez nem goste da solidão
E navega silente
Buscando por gente
Com quem conversar.
Sei não...
Espero que esteja me lendo
E saiba que entendo
Porque também sou assim.
Mas dará ouvidos a mim?
Sei não...
Ele busca por alguém mais
Alguém que lhe apraz
Alguém que não seja o que sou.
Seu poema acabou
E  a realidade chegou.
Ele quer algo que não sou eu
Algo que seja seu
E que não tenha apenas arte.
De sua parte
Ele busca uma mulher.
Mas se quiser -
Também sei como amar.
Afinal, é só isso que faço!
Amar com palavras e cores
E buscar por amores
Perdidos no mundo da Net...

&

PERDIDOS EM SI
zelisa camargo

E quando os encontramos
eles se encontram perdidos em um mundo
de desamor, de decepções, de mágoas.
Não acreditam em nossa capacidade de amar
de nos doarmos sem nada pedir,
sendo apenas amor,
despojado de tudo,
liberto,
apenas amor que busca um porto
onde possa ancorar a tua solidão,
o teu amor imenso.
Muito andei, por todos os caminhos,
por ruas tortuosas, pisando leve
em ruas de pedras que dilaceraram meus pés,
e o amor se encontrava na ponte a minha espera,
Um dia fui feliz e não sabia.
Um dia fui amada e não percebi a extensão desse amor
e hoje caminho como eremita levando a
minha bandeira branca do amor, por opção de vida,
por não suportar mais a prisão do outro querendo domar
e tirar a minha liberdade.
Mas mesmo assim eu sou amor e amo
você imensamente, mas sem retorno,
sem esperanças de um encontro,
de um entrelaçar de mãos ,
de corpos que se unem
e se amam verdadeiramente.
Sonhos...
Hoje apenas sonhos
e um caminhar em que ruas não sei mais,
perambulando como uma doidivana
nas madrugadas sempre a tua
procura.
Mas nosso encontro é impossivel
como nosso amor.
e assim viajo em meu mundo de sonhos
levando o amor a todos
incondicionalmente.
Hoje sou isso
ora triste
ora alegre,
mas sempre feliz por ser livre
e ser amor.

zelisa camargo

11.03.05
21.41





ZEL
Enviado por ZEL em 15/03/2005
Código do texto: T6694
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ZEL
Aparecida de Goiânia - Goiás - Brasil, 69 anos
311 textos (33936 leituras)
8 e-livros (803 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:21)
ZEL