Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Mil Anos de Solidão"

Mil Anos de Solidão

Observo uma aranha
No canto da porta da cela
Do lado oposto da janela
Onde o sol não se assanha
Tece sua teia como uma velha
Goteja no teto da caverna
Formando imensas estalactites
No domingo à tarde
O porteiro do prédio cochila
E o rádio de pilha centelha
No ar, flores de cemitério
Nenhum silêncio é interrompido
Orquestra de trompetes na memória
Atormentam os meus sentidos
O tímido peito arfa
miro o resto de cachaça na garrafa
alcoólatra  canalha
E uma formiga carrega sua folha
A vista falha
Mas, no teto surge mais uma bolha
E o bolor lembra o tempo estragado
Enfim, a tarde é assassinada
A noite morre asfixiada
mas os olhos estão vidrados.

(Sugestão:Ouçam "Years of Solitude" de Astor Piazzolla)
Zeca Devebec
Enviado por Zeca Devebec em 26/09/2007
Código do texto: T669442

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Zeca Devebec
São Paulo - São Paulo - Brasil
77 textos (4920 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 18:08)