Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ao amigo

Amigo, eis-me aqui novamente.
Vou cortar-te,
Profanar-te,
Macular-te,
Desnudar-te.
E tu, meu amigo, que fazes?
Nada;
E é aí que está tua nobreza:
Recebes passivamente
O bisturi e a tesoura,
A pinça e o trocatre
A rasgar  a tua carne cansada
Sem nada dizer.
É carne morta, eu sei;
Mas sei também que tu, como eu,
Foste alguém, talvez ninguém.
Mas tu, amigo cadáver,
Bom ou mau, belo ou feio,
Tu foste um Homem!


Poesia escrita quando passei pelo curso de Anatomia da Faculdade de Medicina. Uma homenagem aos cadáveres usados para os estudos, sem os quais seria impossível desvendar os mistérios do Corpo Humano.
HERMES
Enviado por HERMES em 26/09/2007
Reeditado em 19/12/2011
Código do texto: T670027

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
HERMES
Franca - São Paulo - Brasil
85 textos (4326 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 14:11)
HERMES