Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Duplo renascimento



Sem jeito o seguro na palma da mão
Teu peito palpita vertendo emoção
Teus olhos clamantes dizendo que sim
Mas a consciência me dita que NÃO!

Teu corpo suave que cheiro em deleite
Rogando a Deus que, enfim, nos aceite
Deixando de lado o que sinto pecado

Pois tudo na vida resume-se agora
A teu corpo e meu corpo e o calor desta hora
Que o passado não entre nos vãos dessa porta
Nem queira ensinar-me fazendo-se alarme

Não queira a mente interpor-se enfim
No campo da alma que comanda a mim
Gritando no tom a que sou tão afim
Que a ti, então ceda, e depois me arrependa!

Teus cabelos são seda nos vãos dos meus dedos
E espantam ou acalmam meu bando de medos
Que em vão me ameaçam assuntando desejos
Que ficam, se fincam e, assim, multiplicam!!!

E te trato com os olhos, pois sei que és criança!
Num corpo rebelde que pede vingança
Na vulva convulsa clamando a matança
E sem que o exija, a matriz se faz rija!

Pretendo conter a tensão do cutelo!
E enquanto te envolvo com a minha língua
Me deixo pensar se é certo o que sinto
Se é certo que minto meu medo de errar
Mas se erro e, então, choro querendo voltar
No tempo, pressinto o dever de esperar!

Mas sinto teu doce na minha boca
E a carne tão jovem que treme já louca
E as mãos que me puxam punindo, arranhando
Clamando por mim que vá logo entrando
Sem medo ou segredo, enfim, me entregando
Nos braços da Sorte p’ra que me conforte

E chupo teus peitos tão sôfrego, então
Sentindo teu corpo tremer na minha mão
E a pele tão firme e segura que não
Aceita mais nada que não Servidão!

E vejo teus pêlos nos vãos dos meus olhos
Enquanto te chupo extraindo teu óleo
No qual me lambuzo vertendo prazer
Rasgando teu véu, p’ra te ver renascer

Eis a poesia a escrever com meu corpo
Cedendo ao desejo que, sei, é absurdo!
Mas ai da vontade que em ti vale pouco
Num vale de pernas que torna-se um mundo!

Pois sinto explodires me levando junto
Lambendo-me a face cravando bem fundo
No fundo da alma de um moribundo
Que ri tããão feliz!... pois não era um defunto?!!

D.S.




Djalma Silveira
Enviado por Djalma Silveira em 28/09/2007
Código do texto: T672264

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Silveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 49 anos
267 textos (10546 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 02:07)