Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BANCO VERMELHO DA PRAÇA

por Regilene Rodrigues Neves


A canção vem evadindo no tempo
Imaginário dos meus sonhos...
Vejo-me sentada no banco vermelho
Da rua infinita de m’alma
Por trás a paisagem oscila
Entre o cinza e o vermelho
De um passado e um presente
De lembranças...

A vida passando transeunte
Em imagens colhidas no tempo
Tantas coisas passam
Aqui sentada nesse banco vermelho

Um filme lindo
Como: “Forest Gamp”
Que me traduziu a essência
Da alma humana em pureza
Do espírito...

Uma poesia vestida de amor...

Ou quem sabe aqui revivi minha história
O poeta que sonhava no banco vermelho da praça
Sonhos de alma errante de felicidade poética
Traduzir o que faria nesse banco vermelho
Faria tudo e nada,
Mas com certeza ele me inspiraria uma poesia
Que para ti dedicaria!

Em 02 de julho de 2005
regipoeta
Enviado por regipoeta em 05/11/2005
Código do texto: T67496

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
regipoeta
Goiânia - Goiás - Brasil, 54 anos
1312 textos (134421 leituras)
22 e-livros (7176 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 09:42)
regipoeta