Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À sombra dos olhos mortais (I)

Tórrida tempestade de ventos uivantes,
De gotas lancinantes que pareciam uma só,
Cortavam o espaço silencioso,
Imprimindo-lhe um som único e desconfortável.

O chão sorvia o líquido que derramava-se,
Tramando um balé de cristais líquidos soltos no ar;
Suspensos pelo céu escurecido por pesadas nuvens,
Negras nuvens intempestivas...

Tortos raios iluminavam o espaço,
Rachando-lhe em pedaços numa fração de segundos...
Parecia uma eternidade...

Quando o chão tremia ao som do trovão,
Tilintavam os cristais ameaçando partirem-se
Em mil cacos sonoros...

Um estampido seco irrompe a madrugada!

Um único e solitário som grava sua voz na noite.
Por um instante percebe-se que o silêncio reina
Pleno e absoluto...
Simultaneamente um eco seco e abafado
Anuncia a queda de um corpo inerte...
Do seu peito corre um risco rubro, delgado...

Molha seu rosto a chuva,
Lava-lhe a alma...Escorre-lhe o sangue.
Valter Pereira
Enviado por Valter Pereira em 01/10/2007
Código do texto: T676415

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Valter Pereira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 40 anos
237 textos (8166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 18:49)
Valter Pereira