Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rolézim de viatura.

Porrada na costela
quem disse que já era
não viu o camburão chegar
quinze para as cinco
Polícia Militar
com o braço pra fora
e o cano na mão
deu a volta na quadra
enquadrou o irmão
testemunha de jeová
vai saber lá
o que estava fazendo
essas horas na rua
to indo pro trabalho doutor
mas trabalhar domingo seu corno
é que a mulher aduentou
olha aqui neguinho vai enganar suas negas
to falando a verdade pode ligar pro meu patrão
tu ta marcando vou te levar pra dar um rolé de camburão
por favor doutor num posso perder esse emprego
você faz o que nego
sou varedor de rua
e você ainda chama isso de emprego
fica bem quietinho ai atrás que tu vai conhecer o inferninho
nem precisa comentar o inferninho é um nome que faz jus ao lugar
carcaças de carros despaxos bichos putrefados num espaço que teria tudo pra ser um belíssimo ponto turístico
dito isso fomos direto pra lá
desce dae macaco que agora tu vai apanhar
coronhada no pescoço porrada na costela cacetete no cuzinho tapa na cara pra ficar mais banguela
isso é pra você nunca mais marcar nas minhas areas
desculpa seu doutor isso nunca mais vai acontecer
agora vai a pé pra casa pra tu aprender.

Marco Cardoso
Enviado por Marco Cardoso em 05/10/2007
Código do texto: T681618
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Cardoso
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil
1612 textos (34899 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 11:10)
Marco Cardoso