Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ME VISTO de NEGRO

Estou amarrado aos sonhos
na praça esquecida dos nomes,
a sombra cravada no vazio
como a espada cósmica,
procuro nas orações a trilha
da memória, minha alma de anjo queima
mastigando pedras e caracóis até passar
da brasa ao carvão, me visto de negro
como os homens tristes e levo
embaixo de um braço - a cabeça
e o sexo embaixo do outro

Cavalos baios abandonam as ferraduras
ao longo das ferrovias
fugindo dos milagres do motor,
anjos despem as máscaras de átomos e acordes
e riscam fogueiras nos túmulos cibernéticos,
é hora de assaltar os bancos da alma
empunhando os revólveres da mudança
não somos os mesmos e hoje
só o crime apresenta dinastia,
mendigos compõem hinos sem palavras
derrubando o sol na sonolência Química
e aquí, no recolhimento selvagem da praia distante
batizo a solidão com o nome teu
e vestido com as asas trazidas pelos cavalos da lua
penetro nos abismos do amor, livre do retorno
Eriko y Alvym
Enviado por Eriko y Alvym em 06/10/2007
Reeditado em 06/08/2010
Código do texto: T683432

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (ERIKO ALVYM e www.erikoalvym.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eriko y Alvym
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1309 textos (32778 leituras)
8 áudios (1075 audições)
2 e-livros (177 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 00:51)
Eriko y Alvym