Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema a António Ramos Rosa 

E a morte ao Sol é uma cabeleira 

António Ramos Rosa 

No delírio do meio-dia as palavras
silenciam a amargura do meu ser
por campinas desbravadas
numa morte impossível 

São gotas de orvalho
ao pôr do sol no horizonte
no sepulcro da poesia
esquecida vulnerável 

Na penumbra do céu
esgueiram-se beijos de amor
na quietude da praia vulnerável
por um luar cinzento.
pedrovaldoy
Enviado por pedrovaldoy em 07/10/2007
Reeditado em 31/01/2010
Código do texto: T684865
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
pedrovaldoy
Portugal
592 textos (4847 leituras)
4 e-livros (58 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 06:25)
pedrovaldoy