Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Esse Portugal que vem com o Outono



 

Essa casa amarelecida, hospedeira de palavras

Autênticas: colorau, aluvião,

simpatia ou festança.

Esse Portugal que vem com o Outono,

Essa praia de mantas de pêlo branco,

Uvas  e vindimas de sacríficios.

Desse vinho que cai das faces solidário

Ou brutal como um trombose de bonomia.

Esse Portugal que vem segredando árvore e céu,

Que me faz o olhar como uma janela em vitral.

Esse, vem agora de botins, preparando o Inverno,

O meu e o dos meus compatriotas dos cinquentas,

Fazendo da sementeira um provérbio, qualquer coisa

Como “pouco e pouco nem sempre é muito”

Este Portugal que nos deixa água na boca,

Um pátio, pouco mais que um quintal, um amigo

Num quintal, Portugal mesmo só sempre amizade,

Talvez pelo sol macio ou sombra pouco oblíqua

Que nos ajuda a vertical.

 

Vem Portugal por esse Outono, por entre os pára-brisas,

Descascado em romãs, mesmo sem mãe, país macho,

Onde é possível regar dinheiro com palavras,

Mesmo com os filhos da puta dos capitalistas,

Que esses são apenas gente do império,

não precisam de Camões

Nem Gil Vicente, nem dos corações.

 

Este espaço, este silêncio, este segredo, este jantar de carinho,

Foi-me ensinado, às vezes chamavam-lhe vida outra vezes grande nação,

Mas eu sou pela palavra original, sou pelo sentimento sinónimo, lá na memória,

Aqui por entre as folhas castanhas,

portugal.

 

 

 

 

 

 

Constantino Mendes Alves
Enviado por Constantino Mendes Alves em 09/10/2007
Código do texto: T687440
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Constantino Mendes Alves
Portugal
324 textos (3796 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 11:26)
Constantino Mendes Alves