Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Alma-naque


Outro dia eu disse
Sobre vender minh'alma...
Me acharam assaz esquisito
Um perdido de casa, talvez
É que eu escrevia um verso
De saudade...
Nada menos simples

Se eu pudesse vender
Poderia comprar de volta
Não comprar
Esquecer pra sempre...
Rememorar num repente
Pensei...
Nada posso de tudo isso
E tudo me obrigo sem saber
Que se trata de um dever de casa

E o verso pálido de saudade
Diante de miolos energizados
Naquele instante
Não passava de substância
Amarelenta
Mergulhada no sangue

Aquele verso continha mesmo saudade
Do tempo que vender a alma
Parecia possível
Sem o sabor da maldição...
De não saber muito bem
Quando virá outra pro seu lugar
Quando será o retorno flagrante
Ou a lembrança patética
De uma imagem domiciliar

troclone
Enviado por troclone em 09/10/2007
Código do texto: T687459
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
troclone
Toledo - Paraná - Brasil, 43 anos
371 textos (14004 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 04:52)