Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
ALENTO


Se alguém cuspiu na água
que corre da nascente,
se alguém excretou pus
donde esperavas sangue,
se alguém pisou as flores
que o teu carinho cultivou,
não abandones os braços
ao longo do rio
nem descreias da certeza
do amanhã sem núvens.

A chave continua ali
ao alcance dos teus dedos
ávidos de abrir o âmago
das palavras.
A dureza das pedras que pisamos
forja-nos lágrimas de diamante.

Longe, no fundo deste túnel,
escrevo o teu nome na penumbra
e reservo uma pedra
para lançares no pântano,
aguardando que surjas
numa curva impensada.
Só porque os teus olhos
têm sede de luz e não se fecham
à crueza dos holofotes
- antes cintilam na noite
como estrelas.
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 08/11/2005
Reeditado em 10/11/2005
Código do texto: T68770
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21286 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:28)
CARLOS DOMINGOS