Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Socratianas

Nesta caverna de mundo eu não posso dizer que sei tudo.
Mas continuo sabendo onde é e onde dói meu calcanhar.
Nada, nada, nada, ainda sou essa matéria e esse doer.
E eu posso querer ser assim, ninguém se toca com isso.
Há o existir emudecido, porque é vero meu parco saber.

Na parede da minha caverna pintam-se várias ilusões.
Sabe o homem o quanto diminuiu? Quanto minguou?
Sabe a mulher o quanto se desfez? Quando se perdeu?
Se soubessem essas coisas de si, o mundo mudaria?
Há o gritar rouco do sentido: oquiéquihá? Quem ele é?

Dos acorrentados da caverna um se liberta e alerta:
O chão enganoso das vistas é o mesmo da audição...
Como aceitar a verdade crua rasgando o nosso osso?
Como aquietar esse punhal, faísca, luz, puro clarão?
Há o entender que descaminha, mata esse adivinhão.

Foi sempre assim nesta nossa caverna. Sabe que é!
Preferimos a miragem à coisa mesma. Autoenganos...
Não suportaríamos a luz como agulha furando pupilas,
Nem o entendimento mudando conceitos e toda sina...
Há o viver e não é a vida que é. É ilusão e não termina.
Wilson Correia
Enviado por Wilson Correia em 14/10/2007
Reeditado em 14/10/2007
Código do texto: T693509

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson Correia
Amargosa - Bahia - Brasil
1192 textos (541742 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 00:43)
Wilson Correia