Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESMOLA À ALVORADA


ESMOLA À ALVORADA


Esmola à alvorada,
o caminho é íngreme,
a luta constante
e o salto ornamental:
lá se foi o vento oriental.
Ficaram pedras de areia
na confluência do nada.
Esmola à alvorada
é só o que se pode dar
diante de tanto desamor.
Viola ao redentor.
Buscar um pingo de lágrima,
quando se aumenta a dor.
Esmola à alvorada,
caminho passo a passo
num mundo em ebulição.
A revolução das cores
dos meus olhos
defronta-se com sinistros sonhos
que revelam perdição.
Larga é a porta da perdição.
Esmola à alvorada
para num lapso de espreita
encontrar de novo a porta estreita.
Esmola à alvorada,
 meu corpo tornou-se...




FERNANDO MEDEIROS
Campinas, é primavera de 2007.

FERNANDO MEDEIROS
Enviado por FERNANDO MEDEIROS em 16/10/2007
Código do texto: T696574

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor Fernando Medeiros e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/fernandomedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FERNANDO MEDEIROS
Campinas - São Paulo - Brasil, 54 anos
155 textos (8771 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 06:48)