Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
O MAR E O VENTO


                     1

Para mim, o mar
é estar sentado nesta rocha
a indagar o horizonte.
É o limite do desespero
de ficar.
É envergar um manto de neblina
e introduzir-me, clandestino,
num navio que invento
prestes a zarpar.

Os meus olhos, desvairados,
impregnados de treva,
impelem-me a fugir
da noite sem luar
semeada de algemas e mordaças
e punhais de matar.

Porém o vento empurra-me, violento,
para me aprisionar dentro da noite,
enquanto a maré me incita a partir
e a regressar.

Chicotadas de espuma
são o furor do mar
que distribui a raiva
por toda a imensidade.

O mar…

O mar é a minha fronteira
da liberdade.


                    2

Para mim, o vento
é o sacudir daquelas árvores,
num arrepio de pássaros
em silvos de demência.
É o tiritar das folhas,
é o estremecer e esmagar
toda a vontade de partir.
É a força que açula as vagas e as impele
a fustigar falésias e areais.

É o poder de alavanca que me empurra,
o abraço que me dissolve em fumo,
me mergulha e afoga
no fundo desta noite sem luzernas.

Entanto, ira-se o mar temendo o vento,
inquieta-se o vento com medo da noite
e a noite arfa de silêncios
com medo do mar.

Deixo-me transportar
nas instruções do vento.
Busco outros ombros
e outras mãos nesta asfixia,
procuro muitos olhos, sem que os veja.
para salpicarmos de estrelas o negrume
e pendurarmos na noite a lua-cheia
até que o sol, enfim, traga a manhã.

Volto as costas ao mar.
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 10/11/2005
Código do texto: T69778
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21283 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:38)
CARLOS DOMINGOS