Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto XXII

A fonte que jorra o sangue frio
Na bela erupção do escarlate
Que rompe o silêncio e bate
Com paladar mistério do vampiro.

E a fonte que sai do tonel
Jorrando, à alma, o vinho
Traz o prazer do poeta sozinho
Que só, bebe e medita ao léu.

Do sangue ao vinho é pouco
Do poder, do mistério, se fazem
Escarlate de poeta louco.

E os lúcidos que aqui jazem
Aos berros que o deixam roucos
Bebem os dois, e deles se fazem.
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 19/03/2005
Código do texto: T7030

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30820 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:44)
Júnior Leal