Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OLHARES (LIGEIRAMENTE) GRÁVIDOS

1 - A fala endeusada arqueia-se!
Rebola imprecisas paixões no seu próprio esqueleto.
Paira! Paira numa fina embriaguês e contamina o ar de agora
E destoa a espera particular do sacrifício.
Desejos e reparações calham de resistir,
O poeta engole a vulva e excita-se!
Se choca com a lavra secreta alimentado pela gota endêmica,
Enfrenta o calor da náusea e perfura o “vivre la vie”
Da pós-bomba de 45 - até o fluir das horas de contornar -,
Porque expulsa de si pusilânimes olhares (ligeiramente) grávidos.
Ai... A noite acaba com os virgens lamentando a aventura.
E mais: apossa-se de duas
Ou três longevidades possíveis.
Aqui – neste canto baldio -,
Não há transa homérica com sorvete de aurora,
Mas a porfia há o gozar autogozado
De um tempo que nos resta flagelado.
...........................

2 – Decerto, pensais:
Oh! Como as escritas marginais
Desenham céus inexatos!
Oh! Aptos a martirizarem-se (eles, os céus enferrujados)
Decidem compreender
A contextura emprenhada da ausência.
Penso e repenso...
Concluo que estes céus se desfazem nas lágrimas baldias,
Que arejaremos ante o habite-se dos entreolhares de nós.
Por muito fervor
Ouso desprender-me do colo da algema...
Ainda não me refiz dos longos percalços
Repletos de poemas homo-enigmáticos...
Porque - oh! Vida!
Sob eterna contratura - (re) afio a espada
E esquivo-me de arder no mármore desdito.
...........................

3 – Sei! O negrume foge de si.
Balbucia o féretro ido. A voz comprime o urro do olhar.
A coragem – “semiótica” perfeita da língua engendrada -,
Ajoelha-se em círculos.
Impõe à urdidura da face enigmática:
A solidão dos pássaros noturnos.
Foge-a insurgente da indigna contração,
Ofertando-se gozosa ao pensamento andarilho
Como alguém invisível que deseja beber o fêmeo-esperma
Atado a uma minuciosa imprecisão,
E porque decide impor ao retalhar das condolências,
O fingimento da fuga.
...........................

4 - Sobre si mesma a lâmina se desamua.
Vidas pairam recolhidas.
Reclamam o suor desonesto.
Porque a contragosto
Dissecam sangues rarefeitos,
Contestam o urro que move a diuturnidade da lavra,
E se afastam do aniquilamento
Da espera...
Sim. À espera de si,
O nascimento deflora o perímetro,
E o sereno do instante renova-se à exaustão.
Mas nada que se compare
Ao glúteo do poeta... Nada que se afaste de o teor da ferida,
Nada que um certeiro carrasco não possa desviar
Das ávidas condolências da fala.
Benny Franklin
Enviado por Benny Franklin em 26/10/2007
Reeditado em 31/10/2007
Código do texto: T710774
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Benny Franklin
Belém - Pará - Brasil
34 textos (1237 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 16:13)
Benny Franklin