Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MESMO SEM NOÇÃO

Abro minhas comportas,
Deixo jorrar a dor.
As asas cansadas,
Quedam-se apáticas
Num lugar qualquer.

Sem noção,
Rumino pensamentos,
Vasculho cantos,
Abro gavetas,
E faço versos coloridos
Da tristeza que restou.

Sem noção,
Colo os poemas nos troncos das árvores,
Nas asas das pandorgas viajeiras,
Nos muros dos casarios
Para não me olvidar no tempo.
Para não morrer antes da hora.

Sem noção,
Quero a exegese do silêncio,
O cancioneiro do Apocalipse,
O veneno e o remédio.

Sem noção,
Quero o grito bramindo mares,
O assobio da ventania,
A despedida da dor,
Na amostragem da alegria,
No canto da felicidade,
Para ostentar o amor.

Mesmo sem noção,
Optei pelo melhor.

Genaura Tormin
Enviado por Genaura Tormin em 13/11/2005
Reeditado em 06/11/2011
Código do texto: T71098
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Genaura Tormin
Goiânia - Goiás - Brasil, 71 anos
311 textos (395680 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 21:53)
Genaura Tormin