Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESPELHO


                                         ESPELHO


                       Não sei se deva em ti acreditar,
                       Espelho. Num dia pareço
                       Um, noutro nem te quero olhar
                       Porque em ti não me reconheço.

                       Porque usas de falsidade?
                       O teu brilho enganador,
                       Para que serve na verdade?
                       Para aumentar a minha dor?

                       És assim com toda a gente?
                       Ou só comigo? Queres ver-me infeliz?
                       Custa-te fazer alguém contente?
                       Vá, muda… muda a tua matriz.

                       Queria em ti minha alma ver
                       E dela ter a certeza do que vejo
                       Queria por uma única vez ter esse prazer
                       E pagar-te com um abraço ou um beijo.

                       Já tens desanimado e deprimido
                       Pessoas. Não sabes ser justo e sincero.
                       Gozas com a depressão do vencido,
                       Isso para mim, eu não quero.
Povo Lusitano
Enviado por Povo Lusitano em 31/10/2007
Código do texto: T717171

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Povo Lusitano
Portugal, 61 anos
311 textos (24317 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 13:23)
Povo Lusitano