Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROCURANDO MEU DESTINO

   PROCURANDO MEU DESTINO

Procuro em deus, fé, força e amor
pra conduzir esta procura, ir em frente...
Quando em quando sequer sei onde estou,
mas não desisto e faço tudo novamente...

Cada passo em meu caminho é tão confuso...
Cada porta aberta tem três mais...
Corredores feitos em ângulos obtusos,
vão surgindo das paredes laterais...

Cada luz nesta estrada quase escura,
encandeia-me por não está habituado...
Quando os olhos enxergam as criaturas,
já é noite e a luz tem acabado...

Estou sempre correndo e o faço a pé,
vou pedindo sempre a Deus pra me ajudar...
Mas no excesso do cansaço perco a fé...
Faltam-me forças até mesmo pra chorar...

Mas não aceito morrer em qualquer canto,
nem que falte a vontade de lutar...
Se precisar, correrei a vida em prantos,
só parando uns instantes pra te amar...

Já passaram tantos dias tantas noites,
corredores e portas já não conto...
As desilusões me doem como açoites,
e no mesmo lugar ainda me encontro...

Sinto o tempo gracejando do meu ser...
Sinto dúvidas ao pensar no meu futuro...
Junto as forças e recomeço a correr...
O meu destino hei de encontrar, eu juro.

Baseado no passado em labirintos,
nas imagens abstratas que criei,
não há base para começar, eu sinto,
mas tenho que seguir, como não sei...

Talvez tenha que acreditar na sorte,
até mesmo arriscar não ser ninguém...
Mas não vivo só pela ausência da morte...
Quero a vida, quero lógica e quero alguém...

Já admito que a vida é um jogo,
e talvez tenha fechado a porta certa.
Mas seguindo esta trilha estive exposto
sem jamais perceber tal porta aberta...

Nos caminhos mais complexos que andei,
todos sentem que não os levam à nada...
Mesmo assim não desisto e seguirei,
quem sabe existe glória nesta estrada...

Descobri que o labirinto somos nós,
e as estradas estão sempre em linha reta...
Como um rio, da nascente até a foz,
nós vivemos nossas curvas mais complexas...

Nossa pressa na procura é quem nos lega,
a incompetência para ver o semelhante...
Não ouvimos quando o próprio Cristo prega...
Não ouvimos a nós mesmos um instante...

Vou armado com o escudo desta dor,
finalmente nesta guerra da procura,
sentirei do jardim da vida, a flor.
Terei comigo a mais linda criatura...

Meu espírito expandido pela fé,
mostra-me o mundo como o fez o criador...
Se Deus quer que eu o percorra a pé,
deixo tudo para traz... E vou...
Jacó Filho
Enviado por Jacó Filho em 31/10/2007
Código do texto: T717259
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jacó Filho
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
3427 textos (290287 leituras)
1 e-livros (293 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 05:50)
Jacó Filho